sexta-feira, 23 de abril de 2010

# piquenique no parque



E a galera estava unida, como as antigas comunindades..


e perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, (at 2,42a)

partilhando as vivencias, e tudo aquilo que tinham !

no partir do pão e nas orações. (at 2,42b)


Em cada alma, havia alegria, amor, uma grande chama acesa!

Em cada alma havia temor,(at 2,43a)


Em cada olhar do Jovem naquela tarde, demosntrava o puro afeto do mais profundo coração!


e muitos prodígios e sinais eram feitos pelos apóstolos.(at 2,43b)


Todos possuíam o mesmo objetivo, estavam pelo mesmo motivo!

Todos os que criam estavam unidos e tinham tudo em comum.(at2,44)


Perseverando na missão do dia a dia


E, perseverando unânimes todos os dias no templo,(at 2,46a)


demonstrando tudo o que há de bom


e partindo o pão em casa,(at 2,46b)


acolhiam cada gesto como único!


comiam com alegria e singeleza de coração,(at 2,46)


São tantos os amigos, tantas as histórias pra contar, tantos tombos e risadas...


louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. (at 2,47a)


Tantos momentos vividos, que a cada um Deus está presente, dando força pra toda a Juventude!


E cada dia acrescentava-lhes o Senhor os que iam sendo salvos! (at 2, 47b)

quarta-feira, 14 de abril de 2010

# Semana da Cidadania.


Oii galeraaaaaaaaa !
Tudo certinho?
bom, Estamos na Semana da Cidadania,
E a abertura será dia 17 de abril,
às 8h na Praça Afonso Pena, Em São José dos Campos.
Com término previsto para às 12h
Leve seu tambor e seu apito, você Não Pode Ficar de Fora Dessa!
Para Mais Informações, Entre em Contato conosco:)

Missao
Dayane

Ps: Nós do Missão Jovem nos em encontraremos no ponto de ônibus do supermercado compre bem, ali do lado do Jacareí shopping, às 7h30 da manhã, Para Todos Irmos Juntos, ok? Todos Convidados!
A paaz!

terça-feira, 6 de abril de 2010

Como é bom olhar para uma criança..



Como é bom olhar para uma criança
Tudo nela transmite pureza,
Seus gestos, sua voz,
Seu olhar...
Tudo encanta,
Tudo sugere alegria,
Tudo relembra poesia,
Sonhos e fantasia.
Quando olho uma criança,
Não posso deixar de pensar:
Ah, como seria bom,
Se o tempo pudesse parar,
E conservar para sempre,
A pureza desse olhar.




"Em verdade vos digo que qualquer que não receber o Reino de Deus como uma criança não entrará nele".. (Lucas 18,17)

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Nossa Missão ♥

Olá pessoal, bom esse é mais um trabalho do Missão Jovem! :D
Com o dinheiro arrecado da nossa rifa, compramos ovinhos de pascoa, para distribuir às crianças carentes, no domigo de Pascoa.. e o pessoal saiu por ai, distribuindo alegria, amor, felicidades.. e ops é claro os ovos , rsrsrs..
veija o que algumas pessoas que participaram conosco, acharam desta experiencia..

axei mega maravilha =D
senti alegria enorme d ver a felicidade daquelas pessouinhas...
ah são coisas que a gente ñ descreve....sente!
parece aquelas conversinha chatas mais ñ é ñ
voce realment sente que esta fazendo o bem !!!

(Joice Veloso)

nossa Show d+.. .
Amei . . !
o que senti ?
Eu lembro de uma menininha chamada isadora.
que estava chorando . porque queria ver o coelhino .
ai eu cheguei perto dela.. e ela parou de chorar
sei la..Alegria . felicidade para as crianças.

(Willian)
Aaaah foi muito bom, são momentos assim
que nos vemos a graça que é fazer verdadeiramente a missão,
que nós podemos sentir de verdade
que estamos trabalhando juntos para construção
do Reino de Deus, da civilização do amor,
fazendo parte da utopia realidade.
(Luis Missao)
foi uma experiencia muito gratificante,
não há nada como ver o brilho no olhar
de cada pequenuxo daqueles *-*
fazer alguem feliz, não tem preço.
Nossa! Nossa! sempalavras, muito bom' ((:
(Dayane Cruz)

domingo, 4 de abril de 2010

Este é o dia que o Senhor fez para nós!
Alegremo-nos e nele exultemos!

Daí graças ao Senhor porque ele é bom, eterna é a sua misericórdia
A casa de Israel agora o diga, eterna é a sua misericórdia

Este é o dia que o Senhor fez para nós!
Alegremo-nos e nele exultemos!

A mão direita do Senhor fez maravilhas, a mão direita do Senhor me levantou
Não morrerei, mas ao contrário viverei para contar as grandes obras do Senhor

Este é o dia que o Senhor fez para nós!
Alegremo-nos e nele exultemos!

A pedra que os pedreiros rejeitaram tornou-se agora a pedra angular
Pelo Senhor é que foi feito tudo isso, que maravilhas ele fez a nossos olhos

Este é o dia que o Senhor fez para nós!
Alegremo-nos e nele exultemos!


Páscoa: a esperança da ressurreição

A nossa força está na Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo!

O nosso dia-a-dia de cristão precisa ser vivido como num dia de Páscoa: Dia de alegria, de júbilo e de vitória! Essa é a esperança que deve estar no coração do combatente: a esperança da ressurreição.

Jesus, após ressuscitar, aparece aos apóstolos. Eles – que até então estavam tristes, abatidos e com medo por terem presenciado a morte d'Ele –, são tomados pela alegria da Ressurreição do Senhor.

A Páscoa é o ressuscitar de um novo tempo: é vida nova em Cristo. A Igreja celebra a vitória de Jesus sobre a morte e nos convida para assumirmos essa vida nova.

A alegria é fruto do Espírito Santo, por isso precisamos estar repletos d’Ele para que essa virtude preencha toda a nossa vida.

Feliz Páscoa!


Monsenhor Jonas Abib


sexta-feira, 2 de abril de 2010

Sexta Feita da Paixão

Paixão do Senhor
"Chegado ao meio-dia,
houve trevas por toda a terra,
até às três da tarde.
Às três horas, Jesus exclamou em alta voz:
"Eloì, Eloì, lema sabactàni?"
que quer dizer:
Meu Deus, meu Deus, porque Me abandonaste? (...)
Soltando um grande brado, Jesus expirou. (...)
Ao vê-Lo expirar daquela maneira,

o centurião, que se encontrava em frente d'Ele, exclamou:

"Verdadeiramente este homem era o Filho de Deus".

Este é o momento onde a Igreja recorda a Morte do Salvador. É o único dia que não se celebra a Missa e não há consagração das hóstias. É celebrado a Solena Ação Litúrgica, Paixão e Adoração da Cruz onde inicia-se com a equipe de celebração entrando em silencio, e o padre se prostrando no altar em sinal de humildade e de tristeza. É realizada a narrativa da paixão, que narra os acontecimentos desde quando Jesus foi interrogado, a Oração Universal, que reza polos que não crêem em Deus e em Cristo, pelos Judeus, pelos poderes públicos, dentre outros, e a Adoração da Cruz. Há comunhão, mas as partículas não são consagradas na sexta, se consagra uma quantidade maior na quinta-feira, seu nome antigo é comunhão dos pré-santificados. A noite tradicionalmente é realizada a Procissão do Enterro.

Que seje esta minha Cruz: amor por qual “Ele” morreu,

Amor por qual “suou Sangue”.

Amor que Fez deste o maior Sacrificio.

Amor que relembramos aqui...

Amor que a Luz nos revela...

Amor que a Cruz me revela!


video

Quinta Feira Santa

nesta Quinta Feira Santa temos cinco momentos importantes..


1. Bênção dos Santos Óleos


Na Quinta-feira Santa, óleo de oliva misturado com perfume (bálsamo) é consagrado pelo Bispo para ser usado nas celebrações do Batismo, Crisma, Unção dos Enfermos e Ordenação.

Sempre que houver celebração com óleo, deve estar à disposição do ministro uma jarra com água, bacia, sabonete e toalha para as mãos.
Não se sabe com precisão, como e quando teve início a bênção conjunta dos três óleos litúrgicos.

Fora de Roma, esta bênção acontecia em outros dias, como no Domingo de Ramos ou no Sábado de Aleluia.

O motivo de se fixar tal celebração na Quinta-feira Santa deve-se ao fato de ser este último dia em que se celebra a missa antes da Vigília Pascal. São abençoados os seguintes óleos: Óleo do Crisma, Óleo dos Catecúmenos, Óleo dos Enfermos.

2. Ceia do Senhor (Lavapés)




A anteceder a Missa da Ceia do Senhor, o Arcebispo que preside lava os pés a doze pessoas que representam os doze Apóstolos. Assim se comemora o que fez Jesus e se actualiza a sua eloquente lição: «Antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que chegara a hora de passar deste mundo para o Pai, tendo amado os seus que estavam no mundo, levou até ao extremo este seu amor. [...] Levantou-se da mesa, depôs as vestes e tomando uma toalha pô-la à cinta. Depois de lhes lavar os pés [...], disse-lhes: ‘Compreendestes o que vos fiz? Vós chamais-me Mestre e Senhor e dizeis bem porque Eu o sou. Ora, se Eu, sendo Mestre e Senhor, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns aos outros. Dei-vos o exemplo, para que, assim como Eu fiz, vós façais também'» (Jo 13, 1-15).

3. Istituição da Eucaristia

Segue-se a Missa da Ceia do Senhor. É uma celebração dominada pelo sentimento do amor de Cristo que, na véspera da sua Paixão, enquanto comia a Ceia com os discípulos, instituiu o Sacrifício-Sacramento da Eucaristia, como memorial da sua Morte e Ressurreição a celebrar, tornando-o sempre actual, no decurso dos tempos: «Durante a ceia, tomou o pão dizendo: - ‘Tomai e comei. Isto é o meu corpo, entregue por vós.' Do mesmo modo, tomou o cálice e, dando graças, deu-o aos discípulos dizendo: - ‘Tomai e bebei todos. Este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna Aliança, que será derramado por vós e por todos para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de Mim'» (Lc 22, 19-20).

No momento próprio, o Presidente da celebração faz a homilia apropriada, com especial incidência na lição do lava-pés e no «mandamento novo» deixado por Jesus como testamento espiritual para os seus discípulos (Sermão do Mandato). «Dou-vos um mandamento novo: que vos ameis uns aos outros. [...] É nisso que todos reconhecerão que sois meus discípulos: se vos amardes uns aos outros como Eu vos amei a vós» (Jo 13, 34-35).

A Eucaristia foi instituída durante a noite, preparando antecipadamente a manhã da Ressurreição.
Jesus ficou na Eucaristia por amor..., por ti.

- Ficou, sabendo como O receberiam os homens... e como O recebes tu.
- Ficou, para que O comas, para que O visites e Lhe contes as tuas coisas e, chegando junto do Sacrário e na recepção do Sacramento te enamores mais de dia para dia, e faças com que outras almas - muitas! - sigam o mesmo caminho.

4.Transladação do Santíssimo

A transladação do Santíssimo tem notícias históricas desde o século II. Mas o rito da adoração, na quinta-feira santa entrou na Igreja a partir do século XIII e foi difundindo-se até o século XV.

Foi, portanto, a prática devocional da eucaristia a principal responsável para a adoração ao Santíssimo na quinta-feira santa, após a missa da Ceia do Senhor.

O rito atual é muito simples e tem o seguinte significado: após a oração depois da comunhão, o Santíssimo é transladado solenemente em procissão para uma capela lateral ou para um dos altares laterais da igreja, devidamente preparado para receber o santíssimo.

Antes da transladação, o sacerdote prepara o turíbulo e incensa o Santíssimo três vezes. Depois, realiza-se uma pequena procissão dentro da igreja, que é precedida pelo cruciferário (pessoa que leva a cruz processional), velas e incenso.

Após a transladação, a comunidade é convidada a permanecer em adoração solene até um horário conveniente. O significado é de ação de graças pela eucaristia e pela salvação que celebramos nestes dias do Tríduo Pascal.

5.Desnudação do Altar

A desnudação do altar hoje, é um rito prático, com a finalidade de tirar da igreja todas as manifestações de alegria e de festa, como manifestação de um grande e respeitoso silêncio pela Paixão e Morte de Jesus.

A desnudação do altar (denudatio altaris), ou despojamento, como preferem alguns, é um rito antigo, já mencionado por Santo Isidoro no século VII, que fala da desnudação como um gesto que acontecia na quinta-feira santa.

O sacerdote, ajudado por dois ministros, remove as toalhas e os demais ornamentos e enfeites dos altares que ficam assim desnudados até a Vigília Pascal. No antigo rito, durante a desnudação recitava-se um trecho de um salmo. O gesto da desnudação do altar tinha o significado alegórico da nudez com a qual Cristo foi crucificado.

O rito atual é realizado de modo muito simples, após a missa. Feito em silêncio e sem a participação da assembléia. As orientações do Missal Romano pedem que sejam retiradas as toalhas do altar e, se possível, as cruzes da igreja.

Caso isso não seja possível, orienta o Missal que convém velar as cruzes e as imagens que não possam ser retiradas.(Cf. Missal Romano, p. 253, n. 19).

O significado é o silêncio respeitoso da Igreja que faz memória de Jesus que sofre a Paixão e sua morte de Jesus, por isso, despoja-se de tudo o que possa manifestar festa.

http://www.auxiliadora.org.br/semanasanta.htm




quinta-feira, 1 de abril de 2010

Procissão do Encontro


Nosso Senhor do Passos e Nossa Senhora das Dores
Quarta Feira Santa.


Dentro da Semana Santa, também chamada de “A Grande Semana”, em muitas paróquias, especialmente no interior, realiza-se a famosa “Procissão do Encontro” entre: o Senhor dos Passos e Nossa Senhora das Dores.
Os homens saem de uma igreja com a imagem de Nosso Senhor dos Passos e as mulheres saem de outra igreja com Nossa Senhora das Dores. Acontece então o doloroso encontro entre a Mãe e o Filho. O padre, então, proclama o célebre Sermão das Sete Palavras, que na verdade são sete frases:

1. Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem. (Lc 23,34 a);
2. Hoje estarás comigo no paraíso. (Lc 23,43);
3. Mulher eis aí o teu filho, filho eis aí a tua mãe. (Jo 19,26-27);
4. Meu Deus, Meu Deus, porque me abandonastes?! (Mc 15,34);
5. Tenho sede. (Jo 19,28 b);
6. Tudo está consumado. (Jo 19,30 a);
7. Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito. (Lc 23,46 b).

O sacerdote, diante das imagens, faz uma reflexão com estas frases, chamando o povo à conversão e à penitência. O silêncio é grande, já que a imagem de Nosso Senhor dos Passos mostra-o com a cruz às costas.

A expressão dos rostos das imagens é de dor e sofrimento. Algumas imagens de Nossa Senhora das Dores mostram-na abraçada a uma espada, lembrando certamente a profecia de Simeão: “Uma espada de dor te traspassará a alma”.
Quando estive na Basílica do Santo Sepulcro em Jerusalém, fiquei muito emocionado quando vi a imagem de Nossa Senhora das Dores.
No local onde, segundo a tradição, foi colocado Jesus crucificado, tem um buraco no chão. Onde foi colocada a cruz de Jesus, está embaixo um altar. A gente precisa ajoelhar-se para colocar a mão lá dentro. Imagine a emoção...

Só que antes de chegar a este lugar santo, a gente passa em frente à imagem de Nossa Senhora das Dores. Belíssima... Quem a fez conseguiu como que umedecer o seu rosto, e é como se ela estivesse chorando, mas com o rosto sereno. Sofrido, mas sereno. Chorei muito ao contemplá-la.

É tudo isso que vivemos neste tempo de profunda reflexão.
Nossa fé é pascal, passa pelo sofrimento, morte e ressurreição do Senhor.

Sigamos os passos de Jesus, sempre com Maria.

Diácono Nelsinho Corrêa
Mestre de Noviços da Comunidade Canção Nova